Morte e Vida

Postado: domingo, 21 de junho de 2009 | Por : Rivaldo Rodrigues | Em:

1

"E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida)."

Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto

Não sei por que cargas d'água o texto do nosso grande João Cabral de Melo Neto (poeta e diplomata brasileiro) me veio à cabeça. Talvez por estamos em clima de estréia do Social Podscrer (quem inda não conferiu é só dar uma olhada logo ali em baixo ^^), essa parte do poema me fez refletir um pouco. Acontece que por todo o mundo temos tantos Severinos, pessoas necessitadas, vivendo em condições precárias sem saber se terão ou não o que comer no dia seguinte. Mas, apesar dessa triste realidade, o que mais me incomodou foi o fato de termos tantas pessoas compartilhando a mesma vida. Uma vida superficial, sem esperança e sem promessa de vida eterna. Quantas pessoas estão vivendo e perecendo sem segui o propósito que Deus preparou para elas, ou ate mesmo sem saber que existe um Deus que enviou o seu único filho para morrer por nós vencendo a morte e nos trazendo esperança.

Cabe a nós que tivemos a nossa vida transformada demonstrar a pessoa de cristo refletida em nossas vidas e levar essa palavra de esperança mostrando que existe uma alternativa a vida e morte Severina, a morte e Vida com cristo.

“É madrugada do terceiro dia
Um novo amanhecer ao mundo começa a nascer
Lá no sepulcro onde Cristo jazia
Não há mais corpo algum
O vivente entre os mortos subiu
Dois varões com roupas resplandecentes
Anunciam que o Mestre ressuscitou
E Maria e as outras que lá estavam
Correm anunciando o que se passou, dizendo

JESUS VIVE, JESUS VIVE, ELE VIVE!
JESUS VIVE, RESSUSCITOU!”

Jesus Vive – Voz da Verdade

1 comentários em Morte e Vida

Adorei o texto.
Parabéns Rivaldo!

Há muitos severinos por aí, e nós temos o dever de dar a mão!